Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

A montadora alemã Daimler pode ter manipulado dois tipos de motores de quase 1 milhão de veículos para que parecessem menos poluentes nos testes de controle

(afp_tickers)

A montadora alemã Daimler teria adulterado dois tipos de motores para que parecessem menos poluentes, em um caso similar ao da Volkswagen, que poderia afetar 1 milhão de veículos, anunciaram veículos alemães nesta quinta-feira (13).

"A empresa de Stuttgart teria, durante quase uma década, entre 2008 e 2016, vendido nos Estados Unidos e na Europa carros com nível de emissões de gases poluentes elevado e não autorizado", segundo o jornal Süddeutsche Zeitung, em investigação conjunta com as emissoras de televisão NDR e WDR.

Os três veículos tiveram acesso aos documentos da investigação. Segundo eles, "os carros e os pequenos utilitários em que teriam manipulado as taxas de emissões contaminantes têm motores OM 642 e OM 651".

O jornal aponta que o sistema de manipulação é muito similar ao da Volkswagen, que alterou 11 milhões de motores, num caso revelado em 2015, apelidado de "Dieselgate".

Questionada pela AFP, uma porta-voz da Daimler não quis comentar "a investigação em curso", nem "especulações", mas reafirmou a cooperação da empresa com as autoridades.

Em maio, a Justiça alemã buscava documentos para ampliar a investigação, aberta em março, sobre suspeitas de fraude e propaganda enganosa quanto aos níveis reais de poluentes dos veículos.

"Sempre dissemos que nossas suspeitas iniciais se basearam na manipulação do tratamento de emissões de gases tóxicos em veículos a diesel da Daimler", disse nesta quinta à AFP um porta-voz do Ministério Público de Stuttgart.

A investigação está focada em dois funcionários da fabricante, disse o porta-voz. Segundo a imprensa, essas duas pessoas trabalham no desenvolvimento de programas informáticos para os motores a diesel.

A Daimler também terá que prestar contas nos Estados Unidos, onde enfrenta denúncias coletivas de propaganda enganosa.

Após o escândalo da Volkswagen, autoridades alemãs iniciaram em 2016 uma investigação que revelou irregularidades similares em 16 marcas de carros vendidos no país.

As cinco marcas alemãs acusadas aceitaram fazer um recall de cerca de 600 mil veículos, entre eles, 280 mil eram da Daimler.

Mas essas irregularidades são diferentes das da Volkswagen.

AFP