Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Localização e trajetória do furacão Bud.

(afp_tickers)

Autoridades mexicanas declararam nesta quinta-feira (14) alerta vermelho, o mais alto nível de periculosidade, para o município turístico de Los Cabos, no noroeste do país, devido aos fortes ventos e às chuvas provocadas pela tempestade tropical Bud, que se aproximava dessa região.

"Pedimos à população que redobre suas ações preventivas", disse Carlos Mendoza, governador do estado de Baja California Sur (noroeste), um dos mais visitados por turistas de Estados Unidos e Canadá.

A ocupação hoteleira em Cabo San Lucas e San José del Cabo, duas principais localidades de Los Cabos, está em 60%, com cerca de 21.000 turistas, detalhou o secretário de Turismo estadual Luis Araiza.

Em reunião da Defesa Civil com as autoridades locais, a Secretaria de Comunicações e Transportes informou que os aeroportos da região estão fechados.

A Prefeitura de Los Cabos anunciou que conta com abastecimento suficiente de combustível e comida para evitar as compras de pânico.

Bud estava a 50 quilômetros a sul-sudeste de Cabo San Lucas e se deslocava no Oceano Pacífico a 11 km/h com direção ao norte, com ventos máximos sustentados de 75 km/h, informou o Centro Nacional de Furacões (CNH) americano às 22h00 (de Brasília).

Prevê-se que o centro de Bud entre em terra nesta quinta-feira mais tarde e que se enfraqueça ao cruzar a península até se tornar depressão tropical na sexta-feira.

"Recomenda-se que os cidadãos que estejam em regiões dos estados com previsão de chuva, vento e ondas, incluindo a navegação marítima, aumentem as precauções", disse o Serviço Meteorológico Nacional em comunicado.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










AFP