Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Área destruída por ataques na cidade síria de Duma

(afp_tickers)

A defesa antiaérea síria "interceptou mísseis no espaço aéreo da província de Homs", no oeste do país, informou nesta terça-feira a agência oficial de notícias Sana.

A TV estatal síria qualificou de agressão a entrada de mísseis no espaço aéreo de Homs.

O Observatório Sírio para os Direitos Humanos (OSDH) informou grandes explosões nos arredores da base aérea de Al Shayrat, na província de Homs, e na região de Qalamun, próxima a Damasco, que abriga outras bases aéreas.

O diretor do OSDH, Rami Abdel Rahman, garantiu que os mísseis não atingiram qualquer base.

Um porta-voz do Exército hebreu contatado pela AFP disse não ter "conhecimento de qualquer incidente deste tipo", após rumores sobre a autoria israelense.

Em Washington, o Pentágono assegurou que os Estados Unidos e a coalizão que lidera na região contra o grupo Estado Islâmico não têm qualquer ligação com os mísseis.

"Não há operações dos Estados Unidos ou da coalizão nesta zona", declarou a porta-voz do departamento americano de Defesa Heather Babb.

Em abril de 2017, mísseis americanos Tomahawk atingiram a base aérea de Al Shayrat, em um bombardeio ordenado pelo presidente Donald Trump em represália a um suposto ataque químico contra a localidade rebelde de Khan SheiKhun, na província de Idlib.

Na madrugada de sábado, Washington, Paris e Londres mobilizaram navios de guerra e aviões para atacar centros de pesquisa ligados, segundo os ocidentais, ao programa de armas químicas do regime sírio, uma semana após o bombardeio contra a localidade de Duma, onde mais de 40 pessoas teriam morrido intoxicadas.

Na ação de sábado, a Rússia - que mantém tropas na Síria em apoio ao regime - foi avisada com antecedência e os alvos designados estavam "completamente vazios".

No domingo, o presidente russo, Vladimir Putin, advertiu Estados Unidos, França e Reino Unido contra novos ataques contra Síria, que gerariam "inevitavelmente caos" nas relações internacionais.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










AFP