Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Manifestante palestino carrega pedras durante um confronto com tropas israelenses no vilarejo de Betunia, Cisjordânia

(afp_tickers)

Uma delegação palestina irá neste sábado ao Cairo para discutir com os mediadores egípcios um cessar-fogo com Israel, apesar da retomada dos combates em Gaza, indicou nesta sexta-feira um comunicado do gabinete do presidente palestino, Mahmud Abbas.

Abbas "formou a delegação, que irá no sábado ao Cairo, independentemente das circunstâncias", segundo um comunicado da presidência emitido em Ramallah (Cisjordânia).

A delegação deve discutir "os próximos passos" para tentar acabar com a guerra que já fez quase 1.500 mortos palestinos e 63 vítimas entre o Exército israelense.

A comitiva será formada por doze membros, entre os quais figuram representantes do Fatah (o movimento de Abbas), do movimento islamita Hamas (que controla Gaza) e de seus aliados da Jihad Islâmica.

Entre os delegados estão Azzam al-Ahmad, chefe do Fatah responsável pelas relações com o Hamas, e Majed Faraj, o chefe da segurança da Autoridade Palestina. Também participam da delegação vários altos funcionários do Hamas, incluindo o número dois do movimento Mussa Abu Marzuk, e um líder da Jihad Islâmica, Ziyad al-Nakhale.

Pouco antes, o Egito informou a liderança palestina que as negociações previstas no Cairo entre as delegações israelenses e palestinos seriam adiadas após a suposta captura de um soldado israelense, de acordo com um líder da Jihad Islâmica.

"Os egípcios entraram em contato com a Jihad Islâmica e disseram que Israel havia informado que um de seus soldados tinha sido capturado", disse Ziad al-Nakhal. "As negociações foram adiadas."

A trégua de 72 horas entre Israel e o Hamas, teoricamente entrada em vigor sexta-feira às 05h00 GMT (3h00 no horário de Brasília), terminou depois de algumas horas, de acordo com um porta-voz israelense, evocando informações sobre a captura de um soldado "durante um incidente em que os terroristas quebraram o cessar-fogo".

No Cairo, Mussa Abu Marzuk declarou à AFP que "qualquer operação (do movimento islâmico) foi realizada antes do cessar-fogo", sem confirmar ou negar o sequestro de um soldado israelense.

Mussa também indicou que o Hamas segue disposto a respeitar o cessar-fogo de 72 horas, se Israel o fizer.

na-jad-hc-js/jo/mr

AFP