Navigation

Delegação palestina irá ao Egito apesar do fim de trégua, afirma Abbas

Manifestante palestino carrega pedras durante um confronto com tropas israelenses no vilarejo de Betunia, Cisjordânia afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 01. agosto 2014 - 14:01
(AFP)

Uma delegação palestina irá neste sábado ao Cairo para discutir com os mediadores egípcios um cessar-fogo com Israel, apesar da retomada dos combates em Gaza, indicou nesta sexta-feira um comunicado do gabinete do presidente palestino, Mahmud Abbas.

Abbas "formou a delegação, que irá no sábado ao Cairo, independentemente das circunstâncias", segundo um comunicado da presidência emitido em Ramallah (Cisjordânia).

A delegação deve discutir "os próximos passos" para tentar acabar com a guerra que já fez quase 1.500 mortos palestinos e 63 vítimas entre o Exército israelense.

A comitiva será formada por doze membros, entre os quais figuram representantes do Fatah (o movimento de Abbas), do movimento islamita Hamas (que controla Gaza) e de seus aliados da Jihad Islâmica.

Entre os delegados estão Azzam al-Ahmad, chefe do Fatah responsável pelas relações com o Hamas, e Majed Faraj, o chefe da segurança da Autoridade Palestina. Também participam da delegação vários altos funcionários do Hamas, incluindo o número dois do movimento Mussa Abu Marzuk, e um líder da Jihad Islâmica, Ziyad al-Nakhale.

Pouco antes, o Egito informou a liderança palestina que as negociações previstas no Cairo entre as delegações israelenses e palestinos seriam adiadas após a suposta captura de um soldado israelense, de acordo com um líder da Jihad Islâmica.

"Os egípcios entraram em contato com a Jihad Islâmica e disseram que Israel havia informado que um de seus soldados tinha sido capturado", disse Ziad al-Nakhal. "As negociações foram adiadas."

A trégua de 72 horas entre Israel e o Hamas, teoricamente entrada em vigor sexta-feira às 05h00 GMT (3h00 no horário de Brasília), terminou depois de algumas horas, de acordo com um porta-voz israelense, evocando informações sobre a captura de um soldado "durante um incidente em que os terroristas quebraram o cessar-fogo".

No Cairo, Mussa Abu Marzuk declarou à AFP que "qualquer operação (do movimento islâmico) foi realizada antes do cessar-fogo", sem confirmar ou negar o sequestro de um soldado israelense.

Mussa também indicou que o Hamas segue disposto a respeitar o cessar-fogo de 72 horas, se Israel o fizer.

na-jad-hc-js/jo/mr

Partilhar este artigo

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?