Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

nuTonomy, uma start-up formada por pesquisadores do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) que lançou o primeiro táxi autônomo do mundo no ano passado em Cingapura

(afp_tickers)

A fabricante americana de automóveis Delphi anunciou nesta terça-feira (24) a compra da start-up nuTonomy, em um movimento que busca reforçar sua tecnologia de veículos autônomos.

Delphi, que pertenceu à General Motors e que tem sua sede atualmente no Reino Unido, disse que a operação estava avaliada em 400 milhões de dólares, com outros 50 milhões adicionais em incentivos.

A operação está destinada a ampliar o alcance da nuTonomy, uma start-up formada por pesquisadores do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) que lançou o primeiro táxi autônomo do mundo no ano passado em Cingapura.

A nuTonomy anunciou planos de desenvolver táxis autônomos com a companhia Lyft em Boston, e tem um acordo para testar sua tecnologia com a francesa Peugeot.

A Delphi juntará a equipe da nuTonomy com a do Ottomatika, um grupo de software para condução autônoma criado na Universidade de Carnegie Mellon e adquirido em 2015.

"A combinação das equipes da nuTonomy e do Ottomatika, junto com a experiência da Delphi em sistemas de percepção e soluções de arquitetura de veículos inteligentes, aumenta nossa posição competitiva como o provedor mais formidável da indústria de soluções de mobilidade autônoma", disse o presidente e diretor executivo da Delphi, Kevin Clark.

Uma vez concluída a operação, a Delphi terá atividades de desenvolvimento de condução autônoma em Boston, Massachusetts, Pittsburgh, Pensilvânia, Cingapura, Santa Monica e Vale do Silício.

A companhia Delphi compete em uma corrida pela condução autônoma com a Waymo, antes conhecida como a unidade de automóveis autônomos do Google, e com a Uber, entre outros.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP