AFP

Rodman cumprimenta atletas norte-coreanos em um ginásio de Pyongyang

(afp_tickers)

O ex-jogador de basquete americano Dennis Rodman afirmou que deseja construir pontes entre a Coreia do Norte e os Estados Unidos com sua viagem ao país asiático, que acaba de libertar um estudante americano em estado de coma.

"O principal que tentamos fazer é abrir as portas entre os dois países", afirma o ex-jogador do Detroit Pistons e do Chicago Bulls em um vídeo filmado em Pequim, antes do estudante Otto Warmbier, detido na Coreia do Norte, ser transferido para os Estados Unidos.

O ex-atleta, que viajou em pelo menos quatro ocasiões a Coreia do Norte em função de sua polêmica "diplomacia do basquete", é "a única pessoa no planeta" que tem esta característica "única, este incrível privilégio de ser amigo do presidente (dos Estados Unidos, Donald) Trump e do marechal Kim Jong-Un", o líder norte-coreano, afirma uma pessoa não identificada de sua equipe no vídeo.

"E vai tentar levar a paz às duas nações", completa.

Dennis Rodman viajou esta semana a Pyongyang, em uma missão que deixaria Trump "feliz", de acordo com a mesma pessoa.

Até o momento, Rodman se reuniu com atletas norte-coreanos e com o ministro dos Esportes do país, ao qual entregou um exemplar de "The Art of the Deal", o livro em que Donald Trump revelou em 1987 a receita de seu sucesso.

AFP

 AFP