Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Nicolás Maduro em 18 de janeiro de 2017

(afp_tickers)

O maior sindicato de jornalistas da Venezuela denunciou nesta quinta-feira que o governo abriu um "procedimento administrativo" contra uma rede de televisão privada por uma entrevista na qual um deputado opositor considerava que o presidente Nicolás Maduro havia deixado de exercer seu cargo.

A Comissão Nacional de Telecomunicações (Conatel) "abriu um procedimento administrativo à Globovisión por declarações de Freddy Guevara (no programa) "'Vladimir a la 1' do dia 11 de janeiro", afirmou o Sindicato Nacional de Trabalhadores da Imprensa (SNTP).

A medida, que pode levar a multas e a outras sanções, responde a uma entrevista divulgada dois dias após a maioria opositora no Parlamento declarar Maduro em "abandono de cargo", ao responsabilizá-lo pela crise venezuelana por descumprimento de funções.

A decisão do Parlamento foi anulada pela justiça e classificada como uma tentativa de "golpe de Estado" pelo governante socialista.

"O SNTP, comprometido com as liberdades de expressão e opinião, rejeita a atuação da Conatel (...). Não à censura", acrescentou a organização em sua conta no Twitter.

Guevara, vice-presidente do Legislativo, disse que Maduro havia deixado de "ser presidente".

O jornalista Vladimir Villegas, apresentador do programa "Vladimir a la 1", rejeitou a ação da Conatel, alegando que atenta contra a liberdade de expressão. A Globovisión não emitiu um pronunciamento oficial.

Segundo a ONG Espacio Público, uma violação diária à liberdade de expressão foi registrada na Venezuela durante o ano passado. Contabilizou 366 agressões, incluindo 187 casos de violência contra trabalhadores da imprensa.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










AFP