Navigation

Depois de missão na Lua em 2024, Nasa confirma Marte para 2033

Reprodução da próxima geração do foguete da Nasa Space Launch System afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 02. abril 2019 - 20:05
(AFP)

O regresso de astronautas americanos à Lua, anunciado recentemente para 2024, estará destinado a preparar a chegada do primeiro humano a Marte em 2033, disse nesta terça-feira (2) o administrador da Nasa, Jim Bridenstine.

"Queremos pousar em Marte em 2033", declarou o chefe da Nasa em uma audiência no Congresso americano.

"Podemos avançar no pouso em Marte avançando no pouso na Lua. A Lua é o campo de provas", disse o ex-parlamentar republicano.

A Nasa está com pressa desde a semana passada, quando o vice-presidente americano, Mike Pence, anunciou que adiantará em quatro anos o calendário de regresso à Lua, de 2028 para 2024, último ano de um eventual segundo mandato do presidente Donald Trump.

Muitos especialistas e legisladores do Congresso duvidam das capacidades da Nasa para cumprir esta nova data limite, devido aos atrasos no desenvolvimento do foguete das missões lunares, o Space Launch System ou "SLS", construído pela Boeing.

Uma missão para Marte durará ao menos dois anos devido à distância, já que apenas o trajeto de ida dura seis meses, em comparação com os três dias necessários para chegar à Lua.

A ida e volta a Marte só pode ser feita quando o planeta vermelho está situado no mesmo lado do Sol que a Terra, aproximadamente a cada 26 meses.

Em 2017, uma lei de financiamento da Nasa dispôs o ano 2033 como data de lançamento da primeira missão tripulada a Marte, mas a agência espacial americana falou em geral dos "anos 2030" em suas comunicações dos últimos meses.

A agência espacial quer aprender a extrair e explorar as toneladas de gelo que existem no polo sul da Lua. "O gelo de água representa ar para respirar, água para beber, combustível", disse Bridenstine.

"O objetivo não é apenas levar humanos à superfície lunar, mas provar que podemos viver e trabalhar em outro mundo", acrescentou.

A legisladora democrata Eddie Bernice Johnson, presidente do Comitê de Ciência, Espaço e Tecnologia da Câmara de Representantes, pediu a Bridenstine para definir um preço para o novo planejamento.

O chefe da Nasa disse que faria seu pedido de orçamento atualizado até 15 de abril.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.