Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Yehuda Glick, membro do partido Likud (conservador), no poder, escreveu no Twitter ter recebido uma permissão especial do primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, por ocasião do casamento de seu filho para visitar a Esplanada das Mesquitas

(afp_tickers)

Um deputado israelense, que luta pelo direito dos judeus a rezarem na Esplanada das Mesquitas, em Jerusalém, foi autorizado a visitar o local, também sagrado para os muçulmanos, nesta quarta-feira (25), apesar da proibição imposta a todos os deputados de Israel.

Yehuda Glick, membro do partido Likud (conservador), no poder, escreveu no Twitter ter recebido uma permissão especial do primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, por ocasião do casamento de seu filho para visitar a Esplanada das Mesquitas.

É um "presente maravilhoso para o casamento do meu filho", assegurou no Twitter o deputado, que publicou fotos dele e do filho na Esplanada, o local mais sagrado para os judeus, que o conhecem como Monte do Templo. Yehuda Glick sofreu um atentado em 2014.

Os judeus têm o direito de visitar o local, desde que não rezem lá.

Os palestinos consideram estas visitas uma provocação e uma usurpação adicional deste local sagrado situado na parte antiga de Jerusalém oriental, setor palestino da cidade anexada e ocupada por Israel.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP