Navigation

Desastres naturais e acidentes custaram US$ 187 bilhões em 2020

Uma rua inundada na cidade de El Progreso, no departamento de Yoro, em Honduras, em 18 de novembro de 2020, após a passagem do furacão Iota afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 15. dezembro 2020 - 13:31
(AFP)

As perdas econômicas causadas por desastres naturais e acidentes provocados pelo ser humano aumentaram 25% em 2020 até alcançar os 187 bilhões de dólares (153 bilhões de euros), segundo uma primeira estimativa da resseguradora suíça Swiss Re publicada nesta terça-feira (15).

A parte das despesas suportadas pelas seguradoras foi de 83 bilhões de dólares, o que representa um aumento de 32% em comparação com o ano anterior, tornando-se o quinto ano mais caro para o setor desde a década de 1970, segundo informou em um comunicado o grupo que atua como segurador das seguradoras.

A fatura para as seguradoras por catástrofes naturais aumentou 40% em um ano até alcançar os 76 bilhões de dólares, devido principalmente às denominadas catástrofes "secundárias", e não catástrofes muito grandes de escala excepcional, disse a Swiss Re.

Sua frequência deve aumentar com a mudança climática, afirmou o grupo suíço, destacando que essas catástrofes secundárias na classificação utilizada pelas seguradoras representam por si só 70% dos custos que precisam cobrir.

As perdas econômicas aumentaram devido às tempestades, inundações e tempestades de granizo, assim como pelos incêndios.

A temporada de furacões no Atlântico Norte também foi muito ativa este ano. As perdas cobertas pelas seguradoras aumentaram para 20 bilhões de dólares.

No entanto, a conta é consideravelmente menor que em 2005 e 2017, já que os furacões afetaram áreas menos densamente povoadas.

Em 2005, o furacão Katrina, que inundou Nova Orleans, custou para as seguradoras 87 bilhões de dólares.

Em 2017, a conta foi ainda maior com os furacões Harvey, Irma e María, de até 97 bilhões de dólares.

Partilhar este artigo