Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Imagem da Marinha americana mostra o USS Indianapolis em Pearl Harbor em 1937

(afp_tickers)

Os destroços do navio de guerra americano USS Indianapolis foram encontrados 72 anos depois do naufrágio após o impacto de um torpedo lançado por um submarino japonês, anunciaram os investigadores.

O USS Indianapolis foi encontrado no mar das Filipinas, a 5,5 km de profundidade, informou o filantropo Paul Allen, que coordenou o trabalho de uma equipe de civis que localizou a embarcação.

Nos últimos dias da Segunda Guerra Mundial, o navio foi atingido por um torpedo japonês após uma missão secreta para entregar partes da bomba atômica usada em Hiroshima.

O USS Indianapolis afundou em apenas 12 minutos e não teve tempo de enviar um alerta de socorro ou para mobilizar equipes de resgate, de acordo com documentos históricos da Marinha americana.

Quase 800 dos 1.196 marinheiros sobreviveram inicialmente, mas apenas 316 conseguiram resistir depois que passaram vários dias nas águas infestadas de tubarões, sofreram desidratação ou afogados. Vinte e dois continuam vivos, segundo a Marinha.

"Ter a possibilidade de honrar os homens corajosos do USS Indianapolis e suas famílias ao encontrar o navio que teve um papel tão significativo para encerrar a Segunda Guerra Mundial é algo verdadeiramente humilde", disse Allen.

"Como americano, todos temos uma dívida de gratidão com a tripulação, por sua coragem, persistência e sacrifício ante circunstâncias horrendas".

A equipe de Allen investiga toda a região e planeja uma visita aos destroços do navio nas próximas semanas.

A lei americana protege o navio naufragado de qualquer perturbação por ser considerado um túmulo de guerra.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP