Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Instalação de cúpula no reator nuclear de Flamanville, no dia 16 de julho de 2013. Uma falha foi detectada no tanque do ​​reator nuclear de terceira geração EPR francês, atualmente em construção em Flamanville (norte)

(afp_tickers)

Uma falha foi detectada no tanque do ​​reator nuclear de terceira geração EPR francês, atualmente em construção em Flamanville (norte) - anunciou nesta terça-feira a autoridade de segurança nuclear francesa (ASN).

Quatro EPRs estão em construção no mundo, um em Flamanville, um na Finlândia e dois na China. Nenhum está em funcionamento.

"Anomalias foram detectadas na composição do aço de certas áreas da cobertura do tanque e do fundo do tanque", disse à AFP Bouyt Guillaume, chefe da divisão da ASN com sede em Caen. Trata-se de um problema diferente do anunciado em novembro passado pela EDF na cabeça do tanque, explicou a agência nuclear.

A ministra da Ecologia, Ségolène Royal, afirmou em comunicado ter "solicitado à Areva [fabricante do tanque, ndr] que informasse imediatamente as medidas necessárias" para sanar a "anomalia".

"O tanque de um reator de água pressurizada é particularmente importante para o aparato de segurança", lembrou a ASN em um comunicado. "Ele guarda o combustível e está envolvido na segunda barreira de contenção de radioatividade", esclareceu.

O EPR de Flamanville já acumula vários anos de atraso. Em novembro de 2014, a Electricité de France, principal contratante do projeto, anunciou que o início de suas atividades havia sido adiado para 2017. A EDF também está em processo de recalcular seu custo (cerca de 29 bilhões de reais), que quase triplicou desde o lançamento em 2007.

AFP