Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Policiais e socorristas trabalham na zona do acidente do avião da LaMia, em 29 de novembro de 2016, em La Unión (Colômbia)

(afp_tickers)

A Promotoria da Bolívia deteve nesta sexta-feira um funcionário da estatal aeroportuária Aasana por ignorar as falhas do plano de voo do avião da LaMia que caiu na Colômbia com a equipe da Chapecoense.

"O Ministério Público ordenou a detenção de Miguel Teodovich Ponce por "ignorar as determinações do manual de funções da Direção Geral da Aeronáutica Civil", assinalou a Procuradoria-Geral em comunicado enviado à AFP.

"Como Supervisor de Trânsito Aéreo da Administração de Aeroportos e Serviços da Navegação Aérea (Aasana), Teodovich ignorou tudo referente ao plano de voo internacional de transporte de passageiros".

Teodovich era o chefe da funcionária da Aasana Celia Castedo, que fez observações sobre o plano de voo do avião da LaMia.

Castedo fugiu para o Brasil no início de dezembro, argumentando que seus superiores a pressionaram a mudar o relatório que elaborou após o acidente, no qual informava suas objeções ao voo, o que a tripulação ignorou.

Uma investigação das autoridades aeronáuticas colombianas estabeleceu que o avião tinha combustível limitado para fazer o trajeto entre a cidade boliviana de Santa Cruz e o aeroporto José María Córdova, nos arredores de Medellín.

O governo boliviano estabeleceu que a responsabilidade do acidente foi da empresa LaMia e do piloto Miguel Quiroga, que executou o voo sem observar as normas de segurança, e de uma dúzia de funcionários da Aasana e da estatal Direção Geral de Aeronáutica Civil (DGAC).

Segundo a promotoria, já foram detidos Gustavo Vargas Gamboa, gerente-geral da LaMia, e seu filho Gustavo Vargas Villegas, que se encarregava dos registros aeronáuticos junto à DGAC.

No dia 29 de novembro, o avião BA-146 modelo RJ85 de LaMia caiu nos arredores de Medellín, por pane seca, matando 71 das 77 pessoas a bordo, incluindo 19 jogadores da Chapecoense.

AFP