Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O secretário-geral da União de Nações Sul-Americanas (Unasul), Ernesto Samper, participa de coletiva de imprensa, em Quito, no dia 12 de maio de 2016

(afp_tickers)

O diálogo entre o governo da Venezuela e a oposição é "uma obrigação" - disse nesta terça-feira o secretário-geral da União de Nações Sul-Americanas (Unasul), Ernesto Samper, que havia anunciado para a próxima semana "uma nova reunião" de mediação entre ambas as partes.

"O diálogo na Venezuela não é uma concessão, mas uma obrigação do governo e da oposição para chegar a um acordo sobre o fundamental", tuitou Twitter Samper, que está em Paris, onde participa de um fórum sobre a América Latina e o Caribe organizado pela França.

o secretário-geral do bloco, cuja sede fica em Quito, acrescentou que "o fundamental na Venezuela é a continuidade democrática, a paz social, a recuperação da economia e a reconciliação dos venezuelanos".

Em entrevista à AFP em Paris, Samper assinalou que, "na próxima semana, está previsto um segundo encontro" de mediação entre o governo e a oposição venezuelana, sem especificar o local de encontro.

O ex-presidente colombiano (1994-1998) acrescentou que "o primeiro encontro foi de diálogos alternativos entre os três facilitadores com o governo e com a oposição. Esperamos que, na próxima semana, possa haver uma reunião entre eles".

O ex-chefe do governo espanhol José Luis Rodríguez Zapatero e os ex-presidentes Leon Fernández (República Dominicana) e Martín Torrijos (Panamá), que agiram a mando da Unasul, reuniram-se nos dias anteriores com representantes do governo venezuelano e da coalizão opositora Mesa da Unidade Democrática (MUD) para abrir canais de diálogo político.

AFP