Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O papa Francisco fala durante evento na Nunciatura, em Bogotá

(afp_tickers)

Menções ao cético escritor Gabriel García Márquez, um apelo contra a vingança e um convite para que os bispos conversem com os sacerdotes: Francisco não deixou de surpreender em seu segundo dia de visita à Colômbia.

- Palavra de Gabo -

O chefe do Vaticano, que concentra sua visita na paz e na reconciliação, quis consagrar-se com os colombianos, citando o escritor García Márquez, um Nobel também famoso pela amizade com os comunistas.

É possível "uma nova e arrasadora utopia de vida, onde ninguém possa decidir pelos outros até a forma de morrer, onde de verdade o amor seja certo e a felicidade seja possível, e onde as estirpes condenadas a cem anos de solidão tenham, por fim, e para sempre uma segunda chance sobre a Terra", disse.

O escritor colombiano, falecido em 2014, a proferiu originalmente em seu discurso de aceitação do Nobel, em 1982, em Estocolmo, intitulado "A solidão da América Latina".

O presidente Juan Manuel Santos usou a mesma frase em seu discurso de aceitação do Nobel da Paz após assinar o acordo de paz com a guerrilha comunista das Farc.

O papa recorreu pela segunda vez a García Márquez ao se dirigir aos bispos, ao lembrar sua frase: "não imaginava que ra mais fácil começar uma guerra do que terminá-la".

Durante os diálogos de paz em Havana, tanto o governo quanto as Farc costumavam se referir a "Cem anos de solidão", obra-prima de 'Gabo', e a Macondo, a cidade imaginária onde se passa a trama.

- Ódio e vingança -

Francisco apelou para a capacidade de perdão dos jovens em um país que quer deixar para trás mais de cinco décadas de conflito armado e os incentivou a "fugir do ódio e da vingança".

A guerra atingiu em cheio a Jeison Casierra, estudante de 22 anos. As ameaças de guerrilhas e de paramilitares no departamento (estado) de Nariño (sudoeste) o levaram a se mudar três vezes com sua família de povoado em povoado.

Nesta quinta-feira, antes de ver o pontífice no centro de Bogotá, Casierra disse à AFP que, embora em seu povoado "algumas pessoas continuem nas mesmas", ele os perdoaria.

Advertiu, isso sim, que o conflito "vai continuar, mas não com a mesma força de antes".

- WhatsApp para os bispos -

O herdeiro do trono de Pedro pediu a uns 130 bispos colombianos que dialoguem para estar mais conectados com os sacerdotes, que precisam de sua "proximidade física e afetiva".

"Vivemos na era da informática e não é difícil para nós alcançar nossos sacerdotes em tempo real, mediante algum programa de mensagens", sugeriu-lhes no Palácio Cardinalício.

Pouco antes, lembrou-lhes que "não são políticos" e devem ajudar na reconciliação da Colômbia.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP