Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Foto divulgada pela presidência da República mostra Dilma Rousseff ao lado do CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, no Panamá, em 10 de abril de 2015

(afp_tickers)

A presidente Dilma Rousseff defendeu nesta sexta-feira, no Panamá, a ampliação da internet de banda larga para toda a população latino-americana como uma ferramenta a serviço da educação e da transparência na gestão pública.

"A internet provocou uma revolução comparada à da energia elétrica, tem a capacidade de afetar todas as atividades. Um desafio é estender a banda larga a toda a população em todos os países" latino-americanos, disse Dilma em um fórum empresarial do qual participou juntamente com colegas dos Estados Unidos, Barack Obama; do México, Enrique Peña Nieto; e do Panamá, Juan Carlos Varela.

Dilma qualificou a conectividade pela internet como um instrumento de inclusão social que requer investimentos em infraestrutura através de associações entre os setores público e privado.

O fórum, celebrado no âmbito da VII Cúpula das Américas, no Panamá, foi realizado pouco antes de Dilma se encontrar com o fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, que promove uma iniciativa para promover o acesso gratuito à internet para setores atualmente sem conexão.

"Temos áreas de difícil acesso, a Amazônia é uma delas, o Centro Oeste, o Nordeste, e esta aliança significa garantir (a estas regiões) acesso aos serviços mais variados via internet", destacou Dilma.

O acordo permitirá ao Brasil ter acesso ao programa internet.org do Facebook, mediante o qual se pode usufruir de serviços básicos de internet sem custo adicional para usuários de telefonia móvel.

Zuckerberg disse que a "internet é uma importante peça de infraestrutura para que as pessoas tenham acesso à economia moderna, à informação educativa, de saúde, aos seus entes queridos".

O fundador do Facebook explicou que a experiência brasileira é diferente dos demais países porque está baseada em um projeto piloto desenvolvido na favela de Heliópolis, em Sã Paulo, onde se proporciona conexão direta com a internet.

Segundo Dilma, "a internet pode cumprir a função de estender a educação e melhorar sua eficiência, com acesso a melhores práticas educativas, melhores conteúdos e softwares que permitem combinar o ensino presencial com o ensino pela internet".

Ela lembrou que nos últimos anos o Brasil promoveu a legislação do marco civil da internet, que garante a neutralidade da rede e a plena liberdade de expressão.

No âmbito governamental, Dilma lembrou a criação do Portal da Transparência, no qual todas as informações sobre gastos públicos estão disponíveis para qualquer usuário.

"Nossa capacidade de prestar contas e de garantir transparência e a efetiva destinação de dinheiro público, junto com o combate sistemático à corrupção, garante mais eficiência ao sistema público", disse Dilma.

AFP