Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

A presidente Dilma Rousseff, em Brasília, no dia 7 de abril de 2016

(afp_tickers)

A presidente Dilma Rousseff não participará da cerimônia de acendimento da tocha olímpica dos Jogos do Rio-2016, prevista para o dia 21 de abril, em Olimpia, na Grécia, anunciou nesta sexta-feira o Comitê Olímpico grego (COH).

"A presença da senhora Rousseff estava prevista, mas a embaixada brasileira nos informou hoje que ela não virá", explicou à AFP o porta-voz do COH, Tassos Papachristou.

De acordo com Papachristou, o comunicado enviado pela embaixada não especifica os motivos do cancelamento da viagem da presidente.

Na última terça-feira, a presença de Dilma tinha sido confirmada pelo COH numa entrevista coletiva.

A cerimônia acontecerá nas ruínas da antiga Olimpia, berço dos Jogos da Antiguidade.

Depois do acendimento, a tocha será entregue a autoridades olímpicas brasileiras, em outra cerimônia, realizada no dia 27 de abril, no estádio Panathinaikó de Atenas.

A assessoria de imprensa da Presidência argumenta que a visita não chegou a ser de fato cancelada, na medida em que "nunca foi confirmada oficialmente".

No fim do mês passado, Dilma já havia cancelado uma viagem a Washington, capital dos Estados Unidos, onde deveria participar de uma cúpula sobre segurança nuclear.

Na ocasião, uma fonte da presidência havia atribuído a mudança na agenda "ao atual contexto político" brasileiro.

A cúpula aconteceu no dia 31 de março, dois dias depois do anúncio oficial da saida do PMDB da base aliada do governo.

Em meio ao processo de impeachment, especula-se que a Dilma prefere não viajar ao exterior para evitar que o vice-presidente Michel Temer, do PMDB, assuma a presidência, como é de praxe quando o chefe de Estado está fora do Brasil.

AFP