Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Entre 1973 e 2011, a concentração de espermatozoides passou de em média 99 milhões por mililitro de esperma a 47 milhões, segundo este estudo

(afp_tickers)

A quantidade média de espermatozoides entre os homens dos países ocidentais caiu pela metade em 40 anos, segundo um estudo que manifesta preocupação sobre as consequências dessa redução para a fertilidade masculina, embora especialistas alertem que esses dados devem ser interpretados com cautela.

Entre 1973 e 2011, a concentração de espermatozoides passou de em média 99 milhões por mililitro de esperma a 47 milhões, segundo este estudo, publicado na terça-feira na revista especializada Human Reproduction Update.

Este nível se mantém, porém, em uma margem "normal", fixada pela Organização Mundial da Saúde (OMS), que é de entre 15 e 200 milhões de espermatozoides por mililitro. Além disso, uma concentração inferior a 15 milhões também não é necessariamente sinônimo de infertilidade.

Esta análise revisou 185 estudos sobre o tema realizados entre 1973 e 2011, que compreendem 43.000 homens da América do Norte, Europa, Austrália e Nova Zelândia.

Os pesquisadores não encontraram reduções significativas na América do Sul, Ásia e África - regiões onde foram realizados poucos estudos.

Além do impacto na fertilidade, uma quantidade reduzida de espermatozoides também pode estar vinculada a outros problemas de saúde, que podem ser provocados por fatores ambientais, como exposição a pesticidas, estresse, tabagismo e dieta desequilibrada.

"Este artigo representa um avanço para esclarecer os dados" disponíveis, mas "falta muito trabalho" para confirmar o fenômeno e determinar suas causas, adverte Allan Pacey, professor de Andrologia na Universidade de Sheffield (Reino Unido).

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










AFP