Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O chefe da Seção de Interesses dos Estados Unidos em Cuba, Jeffrey DeLaurentis (E), e o vice-ministro cubano das Relações Exteriores, Marcelino Medina, em Havana, no dia 1º de julho de 2015

(afp_tickers)

Os diplomatas americanos em Cuba terão maior liberdade de movimento assim que for concretizada a reabertura de sua embaixada em Havana, apesar de continuarem existindo algumas restrições, afirmou um alto funcionário do departamento de Estado.

"O deslocamento de nossos diplomatas será muito mais livre e flexível do que é agora", afirmou a fonte que não quis se identificar.

Os americanos terão menos limitações para se reunir com interlocutores governamentais e organizações fora do governo, assim como para viajar pela ilha.

Os governos de Estados Unidos e Cuba anunciaram formalmente nesta quarta-feira sua decisão de restabelecer relações diplomáticas plenas e proceder com a reabertura de suas embaixadas, deixando para trás mais de meio século de ruptura, tensões e desconfiança mútua.

AFP