Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O presidente russo, Vladimir Putin, em Sochi, em 21 de julho de 2017

(afp_tickers)

Os dirigentes russo, ucraniano, francês e alemão conversaram nesta segunda-feira por telefone sobre o conflito na Ucrânia, um dia depois de o novo representante especial de Washington para as negociações acusar Moscou de ser responsável por estimular a guerra no leste do país.

Os quatro dirigentes escutaram primeiro o relatório dos responsáveis da missão de observação da Organização para a Segurança e a Cooperação na Europa (OSCE) sobre o respeito do cessar-fogo entre as tropas governamentais e os separatistas pró-russos do leste da Ucrânia, segundo um comunicado do Kremlin.

Depois, discutiram a situação no sudeste da Ucrânia, considerando os obstáculos na hora de aplicar os acordos de paz de Minsk de fevereiro de 2015.

O presidente russo, Vladimir Putin, "explicou com detalhes o foco russo sobre as principais disposições do acordo", segundo o documento.

Os dirigentes estabeleceram como prioridade a retirada das tropas e das armas pesadas de determinadas áreas e bairros já definidos, revela outro comunicado, procedente do governo alemão.

Trata-se da primeira teleconferência entre os quatro países, que mediam as negociações de paz na Ucrânia, desde o começo do mandato do presidente francês, Emmanuel Macron.

AFP