Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Soldados da Minusma em 7 de abril 2017 no norte do Mali

(afp_tickers)

Dois ataques contra o contingente da ONU no Mali deixaram nove mortos nesta segunda-feira, incluindo um capacete azul e um soldado malinês.

O primeiro ataque, ao campo da missão da ONU no Mali (Minusma) no centro do país, deixou dois mortos, um soldado malinês e um capacete azul cuja nacionalidade não foi informada.

"Supostos extremistas dispararam contra o campo da missão da ONU em Duentza (centro) de uma colina", declarou à AFP um responsável do local.

Segundo o delegado, os agressores foram "repelidos" e "abatidos".

"Foram mortos dois dos agressores e o plano de ataque dos terroristas fracassou. Enviamos reforços para garantir a segurança da cidade", acrescentou a fonte.

O norte do Mali se encontra desde março de 2012 à mercê de grupos radicais vinculados à Al-Qaeda. Desde 2013, a ONU conta com uma missão no local, que sofre constantemente com ataques dos extremistas.

Horas depois do ataque de Duentza, os homens armados com fuzis e granadas atacaram a entrada do acampamento da ONU em Tumbuctu. No ataque morreram cinco guardas, um policial e um civil empregado na missão, cuja nacionalidade não foi especificada.

"Seis agressores foram abatidos na contra-ofensiva da Minusma após o ataque", informou a ONU.

O secretário-geral da ONU, Antônio Guterres, condenou os ataques e advertiu que a ofensiva contra as forças de paz das Nações Unidas "podem constituir crimes de guerra segundo a legislação internacional".

Nesta terça-feira, uma reunião programada há algum tempo abordará a criação de uma força militar integrada por Burkina Faso, Mali, Mauritânia, Níger e Chad para reforçar os dispositivos nacionais e multilaterais que operam na região.

Esta força, integrada por cerca de 5 mil homens, deverá estar operacional até o outono boreal, mas seu financiamento, estimado em 420 milhões de euros, não foi assegurado.

Desde março de 2012, no norte do Mali operam grupos extremistas vinculados à Al-Qaeda. Parte deles foram expulsos por uma intervenção militar internacional lançada em 2013 por iniciativa da França.

Entretanto, existem áreas que escapam ao controle das forças malinesas, francesas e da ONU, regularmente alvo de ataques.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP