Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(16 jul) Menina com cólera recebe atendimento em um hospital de campanha localizado no norte do país

(afp_tickers)

Quase 2 milhões de crianças sofrem de desnutrição aguda no Iêmen, um país que a combinação de guerra, pobreza e cólera coloca "à beira da inanição" - alertou a ONU nesta quarta-feira (26).

O alerta foi feito pela Organização Mundial de Saúde (OMS), pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) e pelo Programa Mundial de Alimentos (PMA) depois de uma visita de seus representantes ao país.

O Iêmen está em guerra há mais de dois anos e sofre uma epidemia de cólera, que deixou cerca de 1.900 mortos e registra pel menos 400 mil possíveis casos.

"O país está à beira da inanição e mais de 60% da população não sabe onde obterá sua próxima comida", concluíram em um comunicado os diretores da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus; do PMA, David Beasley; e do Unicef, Anthony Lake.

"Cerca de 80% das crianças no Iêmen precisam de ajuda humanitária imediata", acrescentaram.

"A desnutrição faz que as crianças sejam mais sensíveis à cólera, e as doenças criam maior desnutrição, uma combinação viciosa", afirmaram, depois de visitarem Áden (sul), capital provisória do governo reconhecido pela comunidade internacional, e Sanaa, capital controlada pelos rebeldes.

No conflito no Iêmen, estão confrontados o governo apoiado por uma coalizão militar árabe dirigida pela Arábia Saudita e os rebeldes huthis, aliados a unidades do Exército que mantêm sua lealdade ao ex-presidente Ali Abddulah Saleh.

A situação se deteriorou ainda mais com a explosão, no final de abril, de uma epidemia de cólera que pode alcançar 600 mil casos até o final de 2017, alertou o Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV), que também esteve no Iêmen.

AFP