Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Sede da Odebrecht em São Paulo

(afp_tickers)

A Procuradoria equatoriana anunciou este sábado que efetuou duas novas detenções no âmbito das investigações do pagamento de propina pela empreiteira Odebrecht no Equador.

"Procuradores da Unidade de Transparência e Luta contra a Corrupção lideraram buscas em residências, apreensão de evidências e detenções aos cidadãos Fernando C. e Diego C., que, com base nas investigações, teriam vínculos diretos com a trama de corrupção da construtora Odebrecht", segundo um comunicado.

A operação, que foi realizada na sexta-feira à noite em Quito, permitiu aos procuradores encontrarem informações "de movimentos tributários e financeiros" com as quais puderam confirmar que os dois detidos "teriam tido uma participação direta nos fatos submetidos à investigação".

Os inquéritos em curso no Equador já deixaram mais de uma dezena de detidos, entre eles um tio do vice-presidente, Jorge Glas, e um ministro de Energia do ex-presidente Rafael Correa.

Esta semana, deputados da oposição na Assembleia pediram ao Congresso do Equador, controlado pela base governista, que abra um julgamento político contra Glas - encarregado de setores estratégicos durante toda a gestão de Correa -, que seus adversários acusam de estar envolvido na trama milionária.

A investigação do caso Odebrecht no Equador começou após a revelação do Departamento de Justiça dos Estados Unidos em dezembro passado de que a empresa pagou 33,5 milhões de dólares a funcionários do governo equatoriano entre 2007 e 2016.

AFP