Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Panda em caixa de transporte, em Schönefeld, em 24 de junho de 2017

(afp_tickers)

O voo Lufthansa 8415 que aterrissou neste sábado em Berlim procedente de Chengdu levava a bordo passageiros muito especiais: dois pandas que terão uma vida de estrelas, mas também de "embaixadores" da China na Alemanha.

A fêmea Meng Meng, ou "Pequeno Sonho", e o macho Jiao Qing, "Pequeno Tesouro", chegaram a Berlim às 09H00 de Brasília após mais de 12 horas de voo.

Os dois pandas gigantes, que logo completarão quatro e sete anos, foram recebidos com grande pompa: no aeroporto esperavam o prefeito de Berlim, o embaixador da China e um grupo de jornalistas.

A primeira saída pública dos dois novos moradores do zoológico de Berlim está prevista para somente daqui a 10 dias, na presença da chanceler Angela Merkel e do presidente chinês, Xi Jinping, antes da abertura da cúpula do G20 em Hamburgo.

A viagem dos animais a Berlim, considerados tesouros nacionais na China, constituiu um novo episódio da "diplomacia dos pandas" instaurada por Pequim para manter boas relações com outros países. A China já enviou estes embaixadores especiais a 12 países.

O zoo de Berlim, que vai pagar a cada ano um milhão de dólares pelo aluguel dos pandas por 15 anos, preparou detalhadamente a longa viagem dos mamíferos.

Os animais "sentem a pressurização", explica Andreas Ochs, veterinário-chefe do zoológico, que realizou a viagem. Por isso, pediram aos pilotos para decolarem e aterrissarem de forma mais suave do que o costume.

No zoo de Berlim, os dois animais - que até agora não eram conhecidos - terão a sua disposição um "túnel do amor", distante dos olhares e dos smartphones, para ficarem em paz. Mas terão que se apressar: a fêmea panda só é receptiva ao macho de 24 a 48 horas por ano.

AFP