Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(2016) Mães da Praça de Maio aguardam a sentença no julgamento da Operação Condor, em Buenos Aires

(afp_tickers)

A organização Avós da Praça de Maio acusou o governo de Mauricio Macri de querer "desandar o caminho" em matéria de verdade e justiça na Argentina, e os representantes oficiais acusaram de "mal intencionadas" algumas declarações do grupo, em uma audiência na CIDH nesta terça-feira (24).

Em uma tensa audiência ante a Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), que celebra o seu 165º período de sessões em Montevidéu, a titular das Avós da Praça de Maio, Estela de Carlotto, disse que no governo argentino "promove-se desandar o caminho percorrido em 40 anos de luta".

De Carlotto, cuja organização conseguiu recuperar a identidade de 124 pessoas, hoje adultas, desaparecidas quando eram crianças durante a ditadura argentina, pediu que o governo de Macri "garanta a plena continuidade do processo de memória, verdade e justiça por crimes contra a humanidade na Argentina".

O secretário argentino de Direitos Humanos, Claudio Avruj, disse que o Executivo é vítima de uma "campanha de desprestígio" que pretende assimilá-lo à ditadura.

Além disso, questionou o que chamou de "mal intencionada declaração de negacionismo" de seus críticos e afirmou que "memória, verdade e justiça são políticas de Estado" na Argentina.

Em declarações posteriores à imprensa, De Carlotto assinalou: "nunca os comparamos com uma ditadura".

A CIDH, no entanto, recomendou que as partes trabalhem em conjunto em prol do objetivo de esclarecer e fazer justiça pelos crimes contra a humanidade cometidos durante a ditadura argentina (1976-1983).

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP