Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Trem-bala circula por Tóquio

(afp_tickers)

A economia japonesa cresceu 1% entre abril e junho, acumulando seis trimestres de expansão, o que significa o maior período de expansão sustentável em uma década, notícia que representa um alívio para o governo de Shinzo Abe.

O crescimento do PIB do Japão, que corresponde a uma expansão de 4% em ritmo anual, teve como base a sólida demanda interna.

A terceira maior economia mundial registrou um ritmo sustentável de crescimento pela solidez das exportações, incluindo os componentes de celulares e chips, e pelos investimentos relacionados aos Jogos Olímpicos de Tóquio-2020.

Os dados superaram as expectativas dos analistas consultados pela agência Bloomberg, que acreditavam em um crescimento de 0,6%, e supera o resultado de 0,4% do primeiro trimestre.

Durante anos, a agressiva política monetária expansiva destinada a fortalecer o frágil consumo e a reduzida inflação não apresentou os resultados esperados.

Mas os últimos dados mostram que o consumo privado subiu 0,9% no segundo trimestre, contra um avanço de 0,4% no período anterior. Isto representa mais da metade do resultado do PIB.

Os números publicados nesta segunda-feira são boas notícias para o primeiro-ministro Shinzo Abe, que enfrenta um momento de impopularidade.

Abe anunciou uma reforma ministerial este mês para tentar restaurar a confiança da população, após um escândalo pelo gerenciamento irregular de informações militares e acusações de que o chefe de Governo favoreceu amigos em questões comerciai, o que ele nega.

O primeiro-ministro chegou ao poder com a promessa de solucionar a perene deflação com a chamada "abenomics" (a política econômica de Abe), uma mistura de gasto público, política monetária expansiva e várias reformas estruturais.

Até o momento, a estratégia não apresentou os resultados esperados.

"A questão chave é saber se a demanda interna vai continuar progredindo, mas para isto ainda é necessário resolver questões estruturais", disse Toru Suehiro, economista da Mizuho Securities.

O Banco do Japão tem como objetivo uma inflação de 2%, mas analistas projetam que o índice só poderia ser alcançado em 2020, quatro anos depois do previsto.

Para Junko Nishioka, do Sumitomo Mitsui Banking Corporation, os dados desta segunda-feira representam uma surpresa agradável, mas os números se devem mais a uma "melhora cíclica da atividade do que a 'abenomics'".

"Para estimular realmente a taxa de crescimento potencial do Japão é necessário abordar a questão do declive demográfico", disse.

A recente bonança foi atribuída pelo FMI às "condições externas favoráveis", em um relatório que pede às autoridades que aproveitem a oportunidade para "fazer avançar um conjunto de reformas completas e coordenadas".

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP