Navigation

Eduardo Bolsonaro se reúne com ministros em visita ao Chile

Eduardo Bolsonaro, filho do presidente eleito Jair Bolsonaro, saúda simpatizantes do pai em frente ao hospital Albert Einstein, em São Paulo, 16 de setembro de 2018 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 14. dezembro 2018 - 23:48
(AFP)

O deputado reeleito Eduardo Bolsonaro, filho caçula do futuro presidente Jair Bolsonaro, conversou nesta sexta-feira (14) no Chile sobre desenvolvimento e economia em reuniões celebradas com os ministros de Desenvolvimento Social e Fazenda do governo de Sebastián Piñera.

Bolsonaro foi recebido por Alfredo Moreno, titular da pasta de Desenvolvimento Social, com quem conversou sobre "os programas sociais" adotados pelo governo Piñera, e as políticas que seu pai, Jair Bolsonaro, adotará nesta área, depois que assumir a Presidência em 1º de janeiro.

"Penso que no que nós podemos colaborar ou aprender com o que faz ou vai fazer o próximo governo do Brasil é algo que pode beneficiar o povo chileno e o povo brasileiro, que são nossos grandes amigos", afirmou o ministro Moreno após o encontro.

O deputado revelou ter aprendido a importância "da participação dos empresários, da iniciativa privada na confecção e no desenvolvimento de políticas" referentes à saúde e à pobreza.

"Se o Estado fica a cargo de tudo, finalmente não consegue soluções para todos", acrescentou.

Bolsonaro, de 34 anos, se reuniu mais tarde com o ministro chileno da Fazenda, Felipe Larraín, com quem tinha agendado um diálogo sobre temas de economia e investimentos.

A visita do filho mais novo de Jair Bolsonaro incluiu reuniões com parlamentares de extrema-direita, um encontro que provocou críticas da ala mais liberal dos partidos conservadores chilenos, que não compartilham as controversas manifestações xenófobas e misóginas do seu pai.

Eduardo Bolsonaro foi reeleito deputado por São Paulo com 1,8 milhão de votos, tornando-se o candidato com maior votação em eleições legislativas no Brasil.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.