Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) Bandeira do Estado Islâmico é removida por um rebelde sírio na cidade de Tabqa

(afp_tickers)

Autoridades alemãs calculam que o grupo Estado Islâmico (EI) possua mais de 11.100 passaportes sírios em branco, que podem ser preenchidos com dados pessoais, revelou a revista Bild am Sonntag.

Os investigadores estabeleceram uma lista de números de série dos passaportes em branco e das autoridades que emitiram os documentos, informa a publicação, que cita documentos confidenciais da polícia federal e do ministério do Interior.

Os passaportes roubados são documentos autênticos em branco, sem nenhum dado pessoal, o que é muito útil para os falsificadores.

No total, os serviços de segurança da Alemanha consideram que 18.002 passaportes sírios em branco foram roubados de escritórios do governo sírio, e milhares destes estariam nas mãos de outros grupos além do EI.

"A evolução da situação dos refugiados mostra que as organizações terroristas aproveitam a oportunidade para infiltrar possíveis agressores ou simpatizantes na Europa e na Alemanha sem que sejam detectados", afirmou uma porta-voz da Polícia Federal Criminal (BKA) a Bild am Sonntag.

Os integrantes da célula jihadista que cometeu os atentados de Paris - 130 mortos em novembro de 2015 - tinham falsos passaportes sírios.

No entanto, "os passaportes falsificados ou modificados geralmente são utilizados para entrar ilegalmente (na Europa), sem motivos posteriores para realizar ataques terroristas", afirmou a porta-voz.

De acordo com os documentos consultados pela Bild am Sonntag, 8.625 passaportes controlados pelas autoridades de imigração alemãs em 2016 eram falsos.

Desde 2015, mais de um milhão de pessoas pediram asilo na Alemanha.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP