Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O presidente de El Salvador, Salvador Sánchez Cerén, em San Salvdor, no dia 7 de maio de 2016

(afp_tickers)

O presidente de El Salvador, Salvador Sánchez Cerén, afirmou nesta terça-feira que seu governo "não pensou" em romper relações com o Brasil, após o afastamento da presidente Dilma Rousseff da Presidência.

"El Salvador não pensou, nem vai pensar imediatamente em romper as relações com o Brasil, porque sabemos as relações que existem entre El Salvador e Brasil e a cooperação", assegurou Sánchez Cerén em uma coletiva de imprensa.

Há três dias, o presidente salvadorenho disse em ato público que não reconheceria o governo interino de Michel Temer ao considerar que o afastanebti de Dilma era uma "manipulação política".

Nesta ocasião, disse que havia conversado com a embaixadora salvadorenha no Brasil, Diana Marcela Vanegas, a quem foi instruída não participar de nenhum ato oficial.

Nesta terça, Sánchez Cerén declarou que Vanegas chegará a El Salvador para "apresentar um relatório de como está a situação" no Brasil.

"Ela irá nos apresentar um relatório porque queremos dá-la um monitoramento contínuo da situação no Brasil, não significando que essa medida é uma retirada de nossa embaixadora", explicou.

Na segunda-feira, o Brasil encorajou que El Salvador reconsiderasse seu rechaço ao governo interino de Temer, uma vez que recordou os acordos econômicos que a nação da América Central havia se beneficiado.

Nesse sentido, o presidente salvadorenho disse que "respeita" a postura do Brasil e reconheceu o feito de que ambas nações têm relações "de amizade e cooperação".

"Somos dois povos que temos relações históricas e, portanto, estes intercâmbios que estão ocorrendo não tem nenhum propósito de romper as relações com o Brasil", insistiu.

AFP