Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

A equipe de especialistas tira suas conclusões a partir dos dados de elefantes equipados com os cordões GPS entre 2002 e 2012 no norte do Quênia, e mais particularmente no caso de 28 fêmeas e 32 machos

(afp_tickers)

Os elefantes africanos aprenderam a se deslocar e se alimentar à noite para fugir dos caçadores furtivos nas zonas em que operam assiduamente, revela um estudo.

No ano passado, esse tipo de comportamento foi detectado em um elefante batizado de Morgan, equipado com um cordão GPS, que se empenhou em cruzar durante a noite uma região muito perigosa, explicou a organização protetora de animais Save the Elephants e a Universidade de Twente, na Holanda, mediante um comunicado publicado nesta quarta-feira.

Esse macho solitário havia abandonado a região costeira do sudeste do Quênia rumo à Somália. Para atravessar essa área muito perigosa para os elefantes, optou por se deslocar à noite e se camuflar entre os arbustos durante o dia.

"Nossa hipótese é que a caça furtiva representa claramente um risco diurno", explicaram os especialistas da Save the Elephants e a universidade holandesa em seu estudo publicado no Ecological Indicators.

A equipe de especialistas tira suas conclusões a partir dos dados de elefantes equipados com os cordões GPS entre 2002 e 2012 no norte do Quênia, e mais particularmente no caso de 28 fêmeas e 32 machos.

Quando o nível de caça furtiva aumentava, "os elefantes se moviam mais durante a noite do que durante o dia", explicou o estudo.

Essa mudança de hábitos demonstra a capacidade de adaptação dos elefantes, mamíferos de maior tamanho sobre a terra, mas isso "pode ter consequências sobre a sua capacidade de se alimentar, reproduzir e sobreviver", assinalou Ian Douglas-Hamilton, coautor do estudo.

Cerca de 30.000 elefantes morrem a cada ano na África por conta do tráfico ilegal de marfim.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP