Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), Luis Almagro, em Cancún, em 19 de junho de 2017

(afp_tickers)

A jornada eleitoral de domingo para escolher a Assembleia Nacional Constituinte na Venezuela foi um "tremendo fracasso", assegurou nesta segunda-feira o secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), Luis Almagro, que acrescentou que o seu gabinete não reconhece o resultado.

Em nota oficial, o diplomata uruguaio disse que o governo venezuelano quer "disfarçar a realidade, disfarçar de sucesso e festa cívica o que, na realidade, foi um tremendo fracasso".

De acordo com Almagro, era "sabido" que as autoridades venezuelanas anunciariam mais de oito milhões de votos e, por isso, os números oficiais não deixam dúvidas sobre "a total ilegitimidade do processo e a desleal manipulação do sistema eleitoral e de seus resultados".

Sustentou também que "o processo realizado ontem [domingo] é absolutamente nulo, dado que a eleição da Assembleia Constituinte foi realizada massacrando os princípios básicos de transparência, neutralidade e universalidade".

Por isso, acrescentou, "a Secretaria-Geral da OEA desconhece a totalidade do processo fraudulento".

Além disso, assinalou em sua nota, o tribunal eleitoral venezuelano "perdeu todo o vestígio de legitimidade".

Almagro também responsabilizou o governo pelas mortes durante a jornada.

"Foi um dia de luto para a Venezuela. Foi um dia de violência e morte executadas com a raiva covarde dos ditadores contra o povo", afirmou.

AFP