Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Pablo Beltrán, negociador da guerrilha ELN, na segunda rodada de diálogos de paz com o governo colombiano, em Quito, em 30 de junho de 2017

(afp_tickers)

A guerrilha do ELN aspira a concretizar um cessar-fogo bilateral com o governo da Colômbia e a acordar os termos da desminagem humanitária na terceira rodada dos diálogos de paz, que começarão nesta segunda-feira em Quito, disse o grupo neste domingo.

"Ambas as partes temos a possibilidade e responsabilidade de dar um passo histórico: concretizar um cessar-fogo bilateral que proporcione ao país um apaziguamento do conflito armado", indicou a delegação da guerrilha em um comunicado difundido na sua conta de Twitter, @ELN_Paz.

Um acordo nesse sentido "permitiria aliviar a situação humanitária das comunidades nas zonas de maior confronto" acrescentou o ELN.

Ao concluir o segundo ciclo de diálogos, em junho, ambas as partes indicaram que estudariam se existiam condições para pactar um cessar-fogo bilateral antes da visita do papa Francisco à Colômbia, em setembro.

O Exército de Libertação Nacional (ELN) iniciou a fase pública de negociações com o governo do presidente Juan Manuel Santos em 7 de fevereiro em Quito.

"Outra prioridade deste terceiro ciclo será convocar sem demora as audiências preparatórias com o objetivo de avançar no ponto 1 da agenda, 'Participação da sociedade'. Também, acordar os termos da desminagem humanitária", indicou.

A Polícia Nacional informou neste domingo que Carlos Omar Delgado, ex-prefeito do município colombiano de Toledo, departamento de Norte de Santander (fronteiriço com a Venezuela), foi sequestrado no sábado por supostos membros do ELN.

AFP