Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Ministro das Relações Exteriores espanhol, José Manuel García-Margallo, em coletiva de imprensa em Luxemburgo em 20 de abril de 2015

(afp_tickers)

O embaixador espanhol em Caracas voltará à capital venezuelana "com toda probabilidade nas próximas horas", depois que o presidente do país, Nicolás Maduro, fez declarações diminuindo a tensão com a Espanha, anunciou neste domingo o chanceler José Manuel García-Margallo.

"Quando as circunstâncias são normais se atua com normalidade e, portanto, com toda probabilidade, o embaixador voltará nas próximas horas", afirmou García-Margallo ao chegar a Nova Délhi em declarações transmitidas pelos meios de comunicação espanhóis.

O presidente "Maduro disse que vamos conduzir nossas relações recíprocas com respeito mútuo, é óbvio que estamos mais que encantados em aceitar este desafio", acrescentou Margallo.

"Se querem minha mão, a estendo também, aqui está", disse no sábado o chefe de Estado venezuelano em uma intervenção em rádio e televisão, na qual acrescentou que "em breve vamos nos ver na cúpula UE-América Latina". "Com respeito tudo é possível", acrescentou o presidente venezuelano.

Maduro fez estas declarações depois que na sexta-feira a vice-presidente do governo espanhol, Soraya Sáenz de Santamaría, afirmou que Madri deseja "manter as melhores relações possíveis com o governo da Venezuela".

A Espanha havia chamado para consultas na última quarta-feira seu embaixador em Caracas, Antonio Pérez Hernández, como protesto por declarações do presidente venezuelano acusando o chefe do governo espanhol, Mariano Rajoy, de apoiar uma conspiração internacional para derrubá-lo.

"Os adjetivos utilizados pelas autoridades (de Caracas), nunca o povo venezuelano, são absolutamente intoleráveis", disse Margallo na ocasião, ao anunciar a medida.

AFP