Navigation

Embratur compartilha por engano post de turista criticando o Rio de Janeiro

(Arquivo) Soldados brasileiros fazem patrulha na praia de Ipanema, na Zona Sul do Rio de Janeiro em 2018 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 05. fevereiro 2020 - 23:31
(AFP)

A Embratur, agência oficial de promoção do turismo nacional, publicou por erro uma postagem em suas redes sociais na qual uma turista denunciava a violência na Cidade Maravilhosa.

A mídia nacional verificou que a postagem, escrita em inglês, foi publicada na última terça-feira nos stories do Instagram da Embratur. Pouco tempo depois, a agência apagou o relato da sua conta oficial por ter sido alvo de piadas de internautas por causa deslize.

"Não posso recomendar a visita a uma cidade onde senti medo até mesmo de sair do apartamento", disse a usuária nomeada 'withlai' que, segundo o G1, é uma cidadã brasileira que mora na Alemanha há seis anos.

A Embratur publicou à noite uma nota de esclarecimento em que indicou que a publicação da mensagem ocorreu devido a um erro de um colaborador, que foi imediatamente suspenso.

Na crítica, a mensagem começa com "O Rio é uma cidade tão maravilhosa", porém em seguida continua "mas a beleza não é suficiente", um possível motivo pelo qual a Embratur pode ter se equivocado ao publicá-la.

A turista comenta em seu relato que, em apenas três dias no Rio, ela e sua família foram roubados e a sua irmã de nove anos testemunhou um assalto violento.

Em comunicado, a agência informou que o compartilhamento citado foi um equívoco. A Agência trabalha para a promoção internacional do turismo e tornar notório para a comunidade internacional a diminuição dos índices de violência, apresentados em 2019".

Segundo dados do Instituto de Segurança Pública (ISP), em comparação com o ano anterior, o número de casos de homicídios dolosos registrou queda de 19% em 2019. Além disso, o número de roubos a pedestres, de cargas e de veículos também apresentou redução de cerca de 8% frente a 2018.

No entanto, 1.810 pessoas foram mortas por intervenção de agentes do Estado, registrando um aumento de 18% frente a 2018.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.