Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O cardeal George Pell, encarregado de Finanças do Vaticano, foi acusado nesta quarta-feira de ter cometido múltiplos abusos sexuais contra crianças na Austrália.

(afp_tickers)

O cardeal George Pell, encarregado de Finanças do Vaticano, foi acusado nesta quarta-feira de ter cometido múltiplos abusos sexuais contra crianças na Austrália, anunciou a polícia do país.

"A polícia [do estado australiano] de Victoria acusou o cardeal George Pell de delitos de abuso sexual" cometidos no passado, declarou o comissário adjunto Shane Patton a jornalistas, oito meses depois de a polícia australiana interrogar Pell, em Roma, por estas acusações, que ele desmente.

"Há múltiplas denúncias relacionadas com estas acusações", acrescentou.

Patton disse que o clérigo de 76 anos foi intimado a se apresentar à corte de magistratura de Melbourne em 18 de julho para uma audiência.

O cardeal reagiu negando "vigorosamente" todas as acusações de abuso sexual contra crianças e afirmou que viajará à Austrália para limpar seu nome.

"Apesar de ainda ser muito cedo em Roma, o cardeal George Pell foi informado da decisão e da atuação da polícia de Victoria", assinalou a arquidiocese de Sidney.

O cardeal "nega vigorosamente todas as acusações (...) e deseja que chegue o dia de seu depoimento para que possa se defender".

As acusações contra Pell aparecem no estágio final de um longo inquérito nacional sobre respostas institucionais à pedofilia, determinado pelo governo em 2012.

O cardeal já havia se apresentado três vezes perante uma comissão real, uma vez pessoalmente e outras duas em vídeo, durante as quais ele admitiu ter falhado ao lidar com padres pedófilos no estado de Victoria nos anos 1970.

Segundo dados extraídos da investigação e publicados em fevereiro, 7% dos sacerdotes católicos da Austrália foram acusados de abusar de crianças entre 1950 e 2010, mas tal situação jamais foi investigada.

No total, 4.444 supostos incidentes de pedofilia foram reportados às autoridades eclesiásticas e, em algumas diocesis, mais de 15% dos padres estavam envolvidos.

A idade média das vítimas era de 10 anos para as meninas e de 11 para os meninos.

Dos 1.880 supostos autores de abusos, 90% eram homens. A ordem religiosa de St John of God Brothers apresentou o mais alto índice de envolvimento, com mais de 40% de seus membros acusados de cometer abusos sexuais.

Pell foi ordenado em 1966, em Roma, antes de voltar para a Austrália, em 1971, e se tornar a principal autoridade católica do país.

Ele foi para o Vaticano em 2014, após ser escolhido pelo papa Francisco para tornar as finanças da Igreja mais transparentes.

AFP