Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Imagem feita pelo telescópio Hubble mostra separação entre matéria escura e normal durante choque a 5,7 bilhões de anos-luz da Terra

(afp_tickers)

A matéria escura, um material hipotético que faria parte de 85% do nosso universo, pode interagir com outras forças além da gravidade - é o que afirmam os autores de um trabalho publicado nesta terça-feira por uma revista britânica.

"Nós descobrimos que a matéria escura pode ter mais uma carta na manga, podendo afetar as coisas ao redor de outra forma, por meio de outras forças", explicou à AFP Richard Massey, astrofísico do Instituto de Cosmologia Computacional da Universidade de Durham, no Reino Unido.

Teorizada por físicos na década de 1930, a matéria escura é invisível e sua existência é inferida indiretamente através dos seus efeitos gravitacionais sobre a matéria visível.

"É embaraçoso o quão pouco sabemos sobre a matéria escura", admitiu Massey, também co-autor do estudo publicado na Monthly Notices da Royal Astronomical Society. "Até hoje nós não sabemos quase nada, e agora adicionamos um pequeno elemento de compreensão".

A partir de observações feitas com o telescópio espacial Hubble e do Very Large Telescope (VLT) do Observatório Europeu do Sul (ESO), uma equipe internacional de cientistas examinou a colisão de quatro galáxias, situadas no centro de um aglomerado de galáxias, a 1,3 bilhão de anos-luz da Terra.

Eles perceberam, então, que um aglomerado de matéria escura estava muito atrás de uma das galáxias que o cercava, acusando um atraso estimado em 5.000 anos-luz.

"Se (a matéria escura) foi retardada durante a colisão, este pode ser o primeiro sinal de dinamismo".

O atraso teria origem em uma espécie de "névoa" de matéria escura e de átomos de hidrogênio, segundo ele.

"É como entrar em um nevoeiro tão grosso que você entra em atrito com ele e que o impede de se mover", explicou o pesquisador à AFP.

"A matéria escura [da galáxia, ndlr] tomou um caminho diferente e acabou em um lugar diferente", em um fenômeno "surpreendente", já que "nós não o observamos em nenhuma outra galáxia".

Segundo os pesquisadores, mais estudos são necessários para determinar se outros efeitos potenciais também poderiam causar o atraso da matéria escura.

AFP