Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Turistas percorrem as ruínas de Akanapa, no sítio arqueológico de Tiwanaku, a 71 km de La Paz

(afp_tickers)

No complexo arqueológico pré-incaico de Tiwanaku, nos Andes bolivianos, perto do Lago Titicaca, foram encontrados vestígios de uma estrutura de pedra "grandiosa", informaram nesta quinta-feira um centro de pesquisa do governo e a Unesco.

"Foi confirmada uma nova estrutura pré-hispânica que complementa outros espaços públicos que hoje são conservados neste local", afirmou o diretor do Centro de Pesquisas de Tiwanaku (CIAAAT), Julio Condori, citado pela imprensa local.

Condori acrescentou que se trata de "uma arquitetura quadrada e muito similar ao templo de Putuni", outra estrutura de pedra no local.

O programa arqueológico que começou em 2015 em Tiwanaku (cultura que se estendeu de 400 a.C. a 1172 d.C.), encontrou duas esquinas de uma "grande edificação", disse o Ministério da Cultura em um comunicado. "Foi encontrado um muro de 3.500 metros de extensão", acrescentou.

Foi possível "comprovar, após pequenas sondagens de escavação no sítio arqueológico - uma na pirâmide de Akapana e duas na planície de Tiwanaku - que existe uma edificação grandiosa", disse o arqueólogo e consultor da Unesco Ignacio Gallego, segundo o mesmo comunicado.

Para mapear o sítio arqueológico foi usada tecnologia de satélite e um drone, sobre uma superfície de aproximadamente 400 hectares.

O projeto da Unesco é coordenado pelo CIAAAT e financiado com fundos doados pelo governo do Japão.

Em Tiwanaku, a cerca de 70 km de La Paz e a 4.000 metros de altitude, se encontram importantes construções líticas, como Kalasasaya, o palácio dos sarcófagos Putuni, a pirâmide de Akapana, os templos de Puma Punku e o monumento da Puerta del Sol, trabalhada em uma única peça de pedra andesita.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










AFP