Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Lontra come peixe em Cingapura, no dia 14 de outubro de 2016

(afp_tickers)

A descoberta na China dos restos fossilizados de uma lontra gigante, de mandíbulas fortes e peso e tamanho de um lobo, datados da pré-história, podem lançar nova luz à evolução do mamífero.

Os fósseis do animal, chamado "Siamogale melilutra", foram encontrados na província de Yunnan (sudoeste), segundo o último número da revista britânica Journal of Systematic Palaentology. Foram encontrados um crânio completo, dentes, mandíbula e outros ossos.

Os arqueólogos descobriram os restos do animal em 2010 em um poço de carvão, noticiou a agência oficial Nova China. Eles estabeleceram que o mamífero viveu há seis milhões de anos, pesava 50 quilos - muito mais que as lontras modernas - e tinha o "tamanho de um lobo" atual, segundo a agência.

A descoberta pode ajudar os cientistas a reconstruir a história evolutiva dos mustelídeos, família de mamíferos que engloba lontras, texugos e doninhas, principalmente.

"A nova descoberta permite o reconhecimento de um clado [grupo] raro de lontras e nos permite explorar as relações entre vários fósseis enigmáticos de mustelídeos, considerados texugos ou lontras", destacou a publicação científica.

As poderosas mandíbulas e os grandes dentes do animal provavelmente lhe serviram para triturar grandes crustáceos e moluscos de água doce, declararam os pesquisadores chineses e americanos que participaram do estudo.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP