Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Funcionários do Instituto Nicaraguense de Cultura (INC) trabalham no sitio arqueológico em Managua, em 20 de junho de 2017

(afp_tickers)

Um sítio arqueológico de 1.200 anos, com ossadas humanas e vasos de cerâmica, foi encontrado a oeste da capital nicaraguense, onde existia uma cemitério pré-colombiano, disseram nesta terça-feira os pesquisadores.

O sítio foi encontrado na área onde é construído o novo Estádio Nacional de Beisebol e contém vestígios de enterros, urnas funerárias de cerâmica e restos humanos, segundo especialistas citados pela emissora estatal Canal 6.

Uma ossada mostra o crânio com alguma dentição e extremidades, embora já não existam os restos correspondentes a mãos e pés.

Os materiais encontrados por operários que faziam as escavações para a instalação elétrica da iluminação do estádio "correspondem a um contexto funerário de 800 a 350 anos depois de Cristo", explicou a diretora de Arqueologia do Instituto Nicaraguense de Cultura (INC), Ivonne Miranda.

Também encontraram objetos que datam do mesmo período nas cidades de Masaya e Granada (sudeste) e Rivas (sul), explicou.

"Isto permite compreender um pouco melhor como foi a dispersão destes materiais em um mesmo espaço de tempo [...] e tentar resgatar a identidade cultura dos antigos povoados de Manágua", comentou a especialista.

A descoberta arqueológica também "serve [para saber] como era o comportamento de nossas sociedades pré-hispânicas", assinalou Miranda.

O estudo das urnas funerárias está a cargo do INC junto com o Centro Arqueológico de Documentação da Universidade Nacional Autônoma da Nicarágua e da prefeitura de Managua.

As peças arqueológicas serão levadas para o Palácio Nacional da Cultura para a análise em laboratório, segundo Miranda.

O terreno onde foi encontrado este cemitério ficou desabitado durante muitos anos e ao seu redor está a Universidade de Engenharia e um condomínio de militares construído na década de 1990.

AFP