Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) O diplomata americano Thomas Shannon, em Colombo, Sri Lanka, no dia 14 de dezembro de 2015

(afp_tickers)

O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, vê como um passo para "relações de respeito" o encontro que terá com o diplomata americano Thomas Shannon em Caracas, nestas terça e quarta-feiras.

Maduro deu as "boas-vindas" a Shannon, subsecretário de Estado para Assuntos Políticos, com quem disse que se reunirá para "conversar sobre as relações bilaterais de Estados Unidos e a Venezuela Revolucionária".

"Me parece muito bem que se deem passos certeiros para relações de respeito com os Estados Unidos: eles lá, e nós cá", afirmou o presidente, em um ato público.

Shannon chega à Venezuela a pedido do secretário de Estado, John Kerry, atendendo a um convite do governo venezuelano, informou Washington.

O experiente diplomata se propõe a dar "continuidade" a uma reunião de Kerry com a chanceler venezuelana, Delcy Rodríguez, em 14 de maio na República Dominicana, à margem da Assembleia Geral da Organização dos Estados Americanos (OEA).

No ano passado, Maduro recebeu Shannon duas vezes no Palácio presidencial de Miraflores, segundo o governante.

A conflituosa relação entre os dois países - sem embaixadores em suas respectivas capitais desde 2010 - ficou ainda mais tensa em março de 2015, quando o presidente americano, Barack Obama, assinou um decreto que considera a Venezuela uma "ameaça incomum e extraordinária" para a segurança dos Estados Unidos.

Incluindo sanções a sete funcionários do governo venezuelano, a medida foi renovada em março último.

AFP