Navigation

Equador punirá com prisão contagiados de coronavírus que violarem quarentena

Um guarda de segurança e um médico esperam na entrada do hospital Guasmo Sur de Guayaquil, no Equador afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 08. abril 2020 - 19:18
(AFP)

Os infectados com coronavírus que violarem o confinamento no Equador e identificados por meio de seus telefones celulares serão punidos com prisão, anunciou a Ministra do Governo (Interior), María Paula Romo.

"Podem, inclusive, até ter três anos de prisão", disse a funcionária em uma entrevista coletiva virtual.

Com 4.450 casos e 242 mortes, o Equador é o segundo país latino-americano com mais infecções e mortes, depois do Brasil.

Desses casos, 69% estão concentradas na província de Guayas e sua capital, Guayaquil, a segunda mais populosa do país depois de Quito.

"Já começamos a preparar relatórios para que a Procuradoria Geral do Estado possa iniciar um processo criminal contra essas pessoas", que são identificadas pelo GPS de seus telefones celulares, disse a ministra.

Ela ressaltou que os infratores serão julgados pelo crime de "violação da ordem legítima da autoridade competente" e pelos "fatores agravantes que a desobediência a essa ordem coloca em risco a vida de todas as pessoas e de uma comunidade".

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.