Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) A bordo de um voo da ONU, uma equipe de três jornalistas da BBC foi impedida de pousar em Sanaa, capital do Iêmen, controlada pelos rebeldes xiitas huthis

(afp_tickers)

A bordo de um voo da ONU, uma equipe de três jornalistas da BBC foi impedida de pousar em Sanaa, capital do Iêmen, controlada pelos rebeldes xiitas huthis - informaram diferentes fontes nesta quarta-feira (19).

Os voos humanitários com destino a Sanaa e aos territórios conquistados pelos rebeldes desde 2014 acontecem em coordenação com a coalizão militar árabe sob comando saudita. Há mais de dois anos, essa força impõe um embargo aéreo aos insurgentes.

"A coalizão suspendeu o voo da ONU que partiu na terça-feira de Djibuti para Sanaa por causa da presença a bordo de três jornalistas da BBC", declarou à AFP uma autoridade do Ministério iemenita da Informação, Saleh al-Humaidi.

O governo do presidente Abd Rabbo Mansur Hadi, com sede em Áden (sul), lamentou em um comunicado de seu Ministério da Informação "uma tentativa da ONU de embarcar jornalistas em seus voos ao Iêmen", expressando preocupação com sua segurança.

Um porta-voz do Escritório de Assuntos Humanitários (Ocha) no Iêmen, Ahmed ben Lassued, confirmou que o voo "foi cancelado no último minuto pela coalizão por causa da presença dos três jornalistas da BBC".

O conflito no país opõe rebeldes huthis, que controlam amplas faixas do território, incluindo a capital, Sanaa, e forças pró-governo, instaladas no sul. Estas últimas contam com o apoio da coalizão militar liderada pela Arábia Saudita.

AFP