Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Foto cedida pela assessoria de imprensa da Presidência turca em 19 de agosto de 2017 mostra o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, em Denizli

(afp_tickers)

O presidente Recep Tayyip Erdogan pediu neste sábado ao ministro alemão das Relações Exteriores, Sigmar Gabriel, que "conheça seus limites" depois de criticar o chefe de Estado turco por interferir nas próximas eleições legislativas alemãs.

"Não conhece os seus limites! Quem é você para falar com o presidente da Turquia? Conheça os seus limites! Está tentando nos dar uma lição [...] Há quanto tempo está na política? Qual a sua idade?", lançou Erdogan em um discurso retransmitido pela televisão.

O presidente turco provocou a indignação em Berlim na sexta-feira, ao pedir que os turcos da Alemanha não votassem nos partidos que formam a coalizão de governo da chanceler Angela Merkel nas legislativas de 24 de setembro.

Gabriel reagiu, denunciando "um ato de ingerência excepcional na soberania" da Alemanha.

"É claro que estão incomodados. Todos eles começaram a se precipitar", afirmou Erdogan, em um discurso diante de seus simpatizantes na província de Denizli, no sudoeste do país.

Ele repetiu seu polêmico chamado aos turcos que podem votar na Alemanha para que não o façam pela União Democrata Cristã, de Merkel, nem por seus parceiros na coalizão, o Partido Social Democrata e o Partido Verde.

"Deem [aos três partidos] uma lição nas eleições alemãs. Estão fazendo uma campanha contra a Turquia. Votem em que não tem inimizade com a Turquia", lançou.

E acrescentou: "para nós não é importante se a Alemanha abre as suas portas ou não. Temos portas o suficiente".

A diáspora turca na Alemanha, com três milhões de pessoas, é a mais importante do mundo. Cerca de 1,2 milhão de turcos têm nacionalidade alemã, o que lhes permitirá votar nas legislativas de setembro.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP