Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Foto cedida pela Agência de Notícias do Catar (QNA) em 24 de julho de 2017 mostra o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, e o emir do Catar Abdullah bin Hamad bin Khalifa Al Thani, em Doha

(afp_tickers)

O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, afirmou nesta segunda-feira que sua viagem pelos países do Golfo ajudou a aliviar as tensões entre o Catar, seu aliado, e quatro países árabes.

Após visitar no domingo a Arábia Saudita e o Kuwait, Erdogan viajou nesta segunda-feira a Doha com o objetivo de acalmar a tensão entre Catar e Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Barein e Egito.

"Acredito que nossa visita e nossos contatos (na região) foram um passo importante para reconstruir a estabilidade e a confiança mútua", explicou Erdogan aos jornalistas no Aeroporto de Ancara.

"É fácil destruir algo, difícil é reconstruir algo que foi destruído. As relações entre Estados exigem mais tempo".

Na tarde desta segunda-feira, Erdogan se reuniu com o emir do Catar, xeque Tamim bin Hamad Al Thani, para analisar os "acontecimentos regionais e internacionais, especialmente a crise no Golfo e os esforços realizados para resolvê-la mediante o diálogo e vias pacíficas", informou a agência Qatar News Agency (QNA).

"As duas partes destacaram os esforços de mediação realizados pelo Estado irmão do Kuwait", segundo a QNA.

Erdogan conversou no domingo com o rei Salman bin Abdulaziz, da Arábia Saudita, e com seu filho e herdeiro, príncipe Mohamed Bin Salman.

No mesmo dia foi recebido no Kuwait pelo emir Sabah IV Al-Ahmad Al-Yaber Al-Sabah, mediador da crise diplomática sem precedentes envolvendo os países do Golfo.

Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Bahrein e Egito romperam as relações diplomáticas com o Catar em 5 de junho, acusando o país de apoiar o "terrorismo" e de se aproximar do Irã, rival regional do reino saudita.

Esta grave crise regional coloca a Turquia em uma situação difícil, já que Ancara mantém estreitos laços com o Catar e tem se esforçado nos últimos anos para aprofundar os vínculos com a monarquia saudita.

AFP