Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Michel Sidibe, presidente da Unaids, participa da 8ª Conferência sobre a Patogênese do HIV, em Vancouver, Canadá, em 20 de julho de 2015

(afp_tickers)

Os esforços para o diagnóstico do vírus da aids (HIV) e o acesso aos programas de tratamento devem ser aumentados para atingir o objetivo fixado pela ONU de erradicação da doença até 2030 - é o que diz um estudo publicado nesta terça-feira.

O estudo, apresentado nesta quarta-feira durante a 8ª Conferência sobre a Patogênese do HIV, em Vancouver, Canadá, foi realizado com cerca de 7 mil pessoas na região de Orange Farm na África do Sul, onde o acesso aos tratamentos antirretrovirais são acompanhados por programas de pesquisa sobre a doença.

"Entre as pessoas entrevistadas, 40% dos homens e 20% das mulheres declararam jamais terem sido diagnosticadas", segundo o estudo da Agência francesa de Pesquisa sobre a Aids (ANRS, na sigla em francês), grupo de pesquisadores multidisciplinar sobre a aids e a hepatite viral.

Entre a amostra, 30% das mulheres e 17% dos homens são HIV positivo em graus variados de carga viral. "Estes resultados mostram que a eficácia dos programas de rastreio e diagnóstico do HIV ainda é insuficiente", afirmou Jean-François Delfraissy, diretor da ANRS.

"Mesmo numa região onde os investimentos na lutra contra a aids são importantes, os dados mostram que estes esforços ainda são insuficientes para reduzir, no futuro, a transmissão do HIV e a prevenção de novos casos", considerou o professor Bertran Auvert, da Universidade de Versalhes.

Além do diagnóstico insuficiente, "pouquíssimas pessoas com aids recebem um tratamento antirretroviral. Era o caso de apenas 30,5% das mulheres soropositivas e de 21% dos homens soropositivos", afirmou Kévin Jean, encarregado da análise estatística do estudo.

Os objetivos da Unaids determinam a erradicação da pandemia até 2030, estimando que a população infectada é de 36,9 milhões de pessoas, segundo Delfraissy.

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, avaliou, em declaração feita na semana passada, que será necessário investir 32 bilhões de dólares anuais nos próximos cinco anos para erradicar a doença até 2030.

AFP