Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Poluição atmosférica em Nova Délhi em 20 de outubro de 2017

(afp_tickers)

As emissões tóxicas da gigante siderúrgica Ilva em Taranto, no sul da Itália, uma das zonas mais poluídas da Europa, levaram a prefeitura dessa cidade a fechar, nesta quarta-feira (25), as escolas, uma decisão sem precedentes.

"Não podemos congelar a atividade de toda a cidade, mas é necessário proteger os mais frágeis", comentou à imprensa o conselheiro local para a proteção do meio ambiente, Rocco De Franchi.

As escolas que foram fechadas estão localizadas perto da aciaria, acusada de produzir 93% das partículas tóxicas na Itália e investigada por causar a morte de centenas de pessoas por câncer.

Os especialistas em saúde aconselharam os residentes da cidade portuária de Puglia a manterem as janelas fechadas e evitarem a prática de esportes ao ar livre, porque os fortes ventos que atingem a região transportam partículas nocivas provenientes da siderúrgica.

A Ilva, a maior fabricante de aço da Europa, foi processada por emanar partículas tóxicas que causaram a morte de cerca de 400 pessoas.

Em junho, um consórcio liderado pela gigante global de aço ArcelorMittal chegou a um acordo para reativar a Ilva e se comprometeu a cumprir um programa de investimentos.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP