Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Cartazes recordando a morte de outro dissedente, o prêmio Nobel da Paz Liu Xiaobo

(afp_tickers)

O escritor e dissidente chinês Yang Tongyan morreu pouco depois de ter sido libertado por razões médicas, tendo praticamente cumprido sua pena de 12 anos de prisão por "subversão", anunciaram nesta quarta-feira (8) organizações de defesa dos direitos humanos.

Yang, de 56 anos, morreu na terça-feira, três meses após ser submetido a uma cirurgia para remover um tumor cerebral, informou a Anistia Internacional, citando fontes próximas ao dissidente.

As ONGs denunciam regularmente que o regime comunista deixa que a saúde dos detentos se deteriore na prisão para libertá-los quando estão perto da morte. O prêmio Nobel da Paz Liu Xiaobo faleceu em julho em decorrência de um câncer no fígado, algumas semanas após ser libertado.

O anúncio da morte de Yang Tongyan coincide com a visita do presidente americano Donald Trump à China.

Yang recebeu o prêmio "Freedom to Write" em 2008 da PEN America, uma organização dedicada à liberdade de expressão, e também faz parte do Independent Chinese Pen Center.

O escritor foi condenado em 2006 a doze anos de prisão por ter publicado artigos críticos ao governo.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP