AFP

O procurador responsável pela luta anticorrupção na Espanha, Manuel Moix, renunciou nesta quinta-feira, após reconhecer que tinha participação em uma empresa offshore no Panamá

(afp_tickers)

O procurador responsável pela luta anticorrupção na Espanha, Manuel Moix, renunciou nesta quinta-feira, após reconhecer que tinha participação em uma empresa offshore no Panamá, indicaram fontes oficiais.

Moix apresentou sua renúncia, oficialmente por motivos pessoas, três meses depois de ser nomeado ao cargo.

O jornal digital Infolibre revelou na segunda-feira que ele possuía 25% de uma sociedade registrada no Panamá, que teria sido herdada de seu pai.

Apesar da demissão, o procurador-geral da Espanha, José Manuel Maza, reafirmou nesta quinta-feira o seu apoio a Moix, e disse que ele não cometeu "nenhum tipo de irregularidade nem de ilegalidade".

"Não encontro motivos para poder demitir o senhor procurador, mas tenho que dizê-los que me apresentou há alguns minutos a sua renúncia ao cargo. Renuncia por motivos pessoais", afirmou Maza.

Em uma entrevista publicada na quarta-feira pelo jornal El Mundo, Moix assegurou que descobriu a existência da sociedade, criada em 1958, quando seu pai faleceu, em 2012.

Nesta semana, o sindicato União Progressista de Procuradores disse que a procuradoria anticorrupção não pode ser liderada por um funcionário "permanentemente questionado, sempre no olho do furacão e cuja conduta pessoal se distancia de ser exemplar".

AFP

 AFP