AFP

Nicolas Maduro em 30 de abril de 2017

(afp_tickers)

O governo espanhol classificou neste domingo de inaceitáveis as acusações do presidente venezuelano, Nicolás Maduro, que chamou de covarde o chefe de governo espanhol, Mariano Rajoy, e afirmou que o protesto de quinta-feira em Madri diante da embaixada da Venezuela "contou com a proteção policial adequada".

Na quinta-feira, o embaixador da Venezuela em Madri, Mario Isea, denunciou que ficou "sequestrado" junto a dezenas de pessoas na embaixada, ao não conseguir sair do local devido a um protesto de opositores venezuelanos diante da legação diplomática.

A denúncia levou Maduro a pedir na sexta-feira ao rei Felipe VI que investigue o que classificou como uma "agressão" ao embaixador, ao mesmo tempo em que acusou Rajoy de ser covarde por permiti-la e de buscar um confronto com Caracas para acobertar as denúncias de corrupção contra si mesmo.

"O governo da Espanha considera inaceitáveis as últimas declarações do presidente da República Bolivariana da Venezuela nas quais mais uma vez recorre ao insulto e à desclassificação pessoal ao presidente do Governo da Espanha", expressou Madri em um comunicado.

O governo espanhol ressaltou que a manifestação de quinta-feira estava autorizada e ressaltou que "em nenhum momento colocou em risco a integridade dos presentes no ato, já que contou com a proteção policial adequada".

"Além disso - prossegue o comunicado - o embaixador da Venezuela permaneceu em contato a todo momento" com as autoridades espanholas.

AFP

 AFP