Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O grupo de esquerda-radical La France Insoumise (LFI), com Jean-Luc Melenchon, ao centro, durante protesto em Paris, no dia 23 de setembro de 2017

(afp_tickers)

Milhares de manifestantes marcharam neste sábado (23) em Paris, convocados pelo movimento de esquerda radical La France Insoumise (LFI), liderado por Jean-Luc Mélenchon, com intuito de protestar contra a reforma trabalhista do presidente Emmanuel Macron.

Mélenchon liderou a manifestação afirmando que o objetivo é inaugurar um "ciclone social" que vá de encontro às propostas do governo.

Os organizadores esperavam reunir cerca de 100.000 pessoas, para consolidar o posicionamento de Mélenchon como opositor número um de Macron.

O presidente francês aprovou na sexta-feira uma polêmica reforma do mercado de trabalho, no primeiro grande desafio do líder centrista.

A reforma do código trabalhistas para dar maior flexibilidade às empresas é uma das prioridades do jovem presidente de 39 amos, que espera reativar o emprego na França, onde o desemprego atinge 9,6% da população ativa.

O texto, fruto de várias semanas de negociações com sindicatos e organizações patronais, foi assinado por Macron no palácio do Eliseu, em uma cerimônia oficial transmitida ao vivo pela televisão.

A reforma que entrará em vigor nos próximos dias será posteriormente submetida a um voto no Parlamento, onde Macron conta com uma folgada maioria, para ser transformada em lei.

Macron não cedeu à pressão das ruas. Centenas de milhares de pessoas protestaram em toda a França, convocadas por sindicatos franceses, em dois dias de mobilizações em 12 e 21 de setembro.

Para vários líderes sindicais esta reforma é "desequilibrada", "em detrimento dos assalariados".

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP